Olá Leitora,

Hoje resolvemos escrever sobre a organização do escritório dentro de casa, o chamado “home office”.

Como o assunto é abrangente e está muito em alta no momento, iremos abordá-lo em mais de uma postagem.

Ousamos falar que este post é de “utilidade pública”, portanto, recomendamos fortemente que você compartilhe o material com sua irmã, tia, prima, vizinha, namorado, amigo do curso, do trabalho etc.

Continue lendo que você entenderá melhor do que estamos falando e nos dará razão.

O acúmulo de papéis pode ser perturbador e contribuir para a bagunça da casa, mas arquivar documentos é muito importante e se faz necessário. Afinal, só com a apresentação deles você pode justificar que uma conta já foi paga, reclamar de um produto adquirido que está com defeito ou ainda comprovar propriedade ou posse de um bem. Então, antes de fazer o descarte dos papéis acumulados, conheça o prazo de guarda para cada um deles. Borá lá!

Período recomendado de guarda segundo o PROCON-SP

Seguro: proposta, apólice e as declarações de pagamento devem ser guardadas por mais 1 ano após o fim da vigência.

Convênio médico: proposta e contrato devem ser guardados por todo o período em que estiver como conveniado. Recibos dos 12 meses anteriores ao último reajuste devem ser guardados por todo o período de contratação.

Aluguel: o locatário deve guardar o contrato e as declarações de pagamento por até 3 anos após a desocupação do imóvel e o recebimento do termo de entrega de chaves.

Condomínio: declarações de quitação do pagamento do condomínio devem ser guardadas durante todo o período em que o morador estiver no imóvel. Após a saída, conservá-los por 10 anos (prazo prescricional estipulado pelo Código Civil).

Compra de imóvel: a proposta, o contrato e todos os comprovantes de pagamento devem ser conservados pelo comprador até a lavratura e registro imobiliário da escritura.

Contratos: contratos em geral precisam ser conservados até que o vínculo entre as partes seja desfeito e, em se tratando de financiamento, até que todas as parcelas estejam quitadas e a desalienação tenha sido concluída pela instituição financeira.

Consórcio: declarações devem ser guardadas até o encerramento das operações financeiras do grupo.

Notas fiscais e certificados de garantia: as notas fiscais de compra de produtos e serviços duráveis e certificados de garantia devem ser guardados pelo prazo da vida útil do produto/serviço, a contar da aquisição do bem.

– Carnê do INSS: deve ser mantido até a aposentadoria e a retirada do benefício.

5 ANOS:

Tributos: os comprovantes de pagamentos de IPTU, IPVA e Imposto de Renda (incluindo a declaração).

Água, energia, telefone e demais contas de serviços essenciais.

Mensalidade escolar/ cursos livres.

Cartão de crédito (contrato e declarações).

Contracheque ou holerite.

Notas de serviço.

Agora, você pode optar por aguardar apenas as declarações de quitação anual de débitos que de acordo com a Lei nº 12.007/2009, as pessoas jurídicas prestadoras de serviços públicos ou privados são obrigadas a emitir e a encaminhar ao consumidor.

Esse documento compreende os pagamentos feitos ou não nos meses de janeiro a dezembro de cada ano, tendo como referência a data do vencimento da respectiva fatura.

Com essa declaração em mãos, você não precisará guardar os comprovantes mensais de pagamento para se precaver de cobranças duplicadas ou a inclusão indevida nos órgãos de proteção ao crédito.

Aguarde, pois, em breve retomaremos o tema “home-office”.

Este post foi útil para você? Deixe nos comentários o que achou.

Gratidão por dedicar um tempo do seu dia para leitura do nosso texto!